Bruna Strait é uma das revelações da noite carioca. A DJ foi considerada uma das 20 maiores da América Latina. Além disso, sua presença é requisitada e super importante para o público LGBTQ+. A jovem de 21 anos, já tocou em diversos estados do Brasil e tem conseguido o seu espaço cada vez mais com o seu carisma.

E não para por aí. Bruna já abriu show para artistas como Anitta e Maluma. Conversamos com a carioca, assuntos sobre sua carreira. Ela também revela o seu amor por Beyoncé e Katy Perry, além de projetos novos e parcerias.

Confira abaixo.

Você está ansiosa para o carnaval?
Muito! Para mim, é a melhor época do ano.

Sua agenda está lotada, né? Para qual evento você está mais ansiosa?
Acho que os camarotes na Sapucaí. Os camarotes. O Folia Tropical.

Por que?
Pela experiência. Por ser uma festa e, ainda, ter os desfiles. É uma loucura essa junção! Fico doida. É uma energia muito boa. Totalmente diferente. Não é só uma festa, é toda uma experiência.

Existe algum evento que marcou muito você?
Foi super tranquilo. Toco bastante em festas para o público LGBT, né?! LGBTQ. Os fãs dela são novos, então foi bem tranquilo.

Como você se descobriu DJ?
Então, eu sempre amei música. Toco violão, guitarra e meu sonho era ser cantora, porém, não consegui ter a voz da Beyoncé (risos), mas sempre estive envolvida em festas. Eu era fotógrafa antes de ser DJ. Não me considero alguém descolado, mas sempre consegui destaque nas coisas que eu faço e um produtor acabou me perguntando ‘’Por que você não vira DJ? Você é diferente, bonita’’ e como eu sempre gostei de música, comecei a estudar sobre a área e rolou. Ele me colocou pra tocar, na época, na The Week, uma boate grande no Rio e acabou fluindo. Não foi algo que eu planejei, sabe? Aconteceu e eu meti as caras.

Você está na lista das 20 melhores DJs da América Latina da revista DJ Magazine, né? O quão importante é isso para você?
Muito! Espero chegar no top 10, inclusive. Acho incrível.

Além de DJ, você tem looks marcantes, também. Qual sua relação com a moda?
Então, eu gosto de ter a minha identidade. Me inspiro bastante na Katy Perry, sou mega fã dela, e também na Beyoncé, com o cabelão, mas nunca estudei. Tento estar bonita (risos). Cores vivas.

Você citou a Katy. Você prefere ela ou a Taylor Swift?
Ah! Não preciso nem responder, né? (risos). Katy, sempre!

Quais são seus planos para esse ano que se inicia?
Vou lançar minha primeira música e espero poder me destacar na cena não apenas como DJ, mas como produtora musical, também. Espero, em breve, lançar parcerias com grandes artistas. Estou, inclusive, conversando com alguns.

Como será essa sua música de trabalho?
É bem eletrônica. Uma parceria com o Wad. Tem tudo pra bombar. Fiz essa música pra chamar, mesmo, a atenção da galera que curte música eletrônica. Acredito que a gente não tenha nenhuma DJ mulher, de peso, atualmente. Quero que as pessoas olhem e pensem ‘’quem é ela?’’, sabe? Já comecei a tocá-la e vamos ver…

Notícias relacionadas