“But i love you in those jeans”, qual adolescente de 2013-2014 não escutou esse trecho ? Então, se preparem! O ator, DJ, cantor, Guilherme ST, que participava da boyband P9 (Igor Adamovich, Guilherme, Jonathan Couto e Michael Band), vai lançar a sua carreira solo e contou um pouquinho dos planos para o futuro durante uma conversa com o Conexão POP.

Relembrando P9

A banda P9 ficou famosa entre o público teen entre 2013 e 2014. Com músicas como “My Favorite Girl” e “Love You in Those Jeans”, a banda do posto nove do Rio de Janeiro encantou o coração dos brasileiros. 

Os quatro integrantes tiveram músicas em novelas da Globo e em filmes! Além disso, abriram shows do Justin Bieber e One Direction no Brasil. 

Guilherme conta que participou de uma audição para entrar na banda. “A audição foi feita em uma agência de modelo e eu não sabia direito sobre o que era, já que eu entrei como modelo e como já era ator, existia outra repartição dentro da agência. Eu participei como ator, mas um dia, uma garota que trabalhava lá me falou sobre a audição para a boyband e eu fui”. Na época, o artista disse que não cantava, mas tentou a sorte. 

“Nunca tinha cantado em nenhum lugar, mas sempre foi o meu sonho. ‘Eu fiz a audição e fui passando das fases”, relembra. 

“Após três ou quatro fases, eu já estava dentro. Entrou eu, Igor e Jonathan. O Igor já conhecia o Michael e o chamou para entrar na banda”, completa. 

Guilherme revela que decidiu cantar Skyscraper, da Demi Lovato, na audição. “Abaixei o tom e foi rolando”. 

Ainda relembrando a história da P9, o artista conta que não consegue falar apenas sobre uma memória boa que viveu, pois foram muitas. “Entrar no estúdio e ver os discos de platina da Mariah Carey e da Beyoncé foi muito surreal e me aproximou muito dos meus sonhos”, diz.

Além disso, ele relembra a abertura dos show do Bieber e da One Direction. “Não tem como dizer que um foi mais que o outro, pois foram muito grandes […] São referências internacionais”. 

“A gente estava com muito medo [do público], porque estávamos cantando acústico. Não tínhamos uma base e foi surreal, pois treinamos muito mais. A gente conseguiu mover 80 mil pessoas e ver o estádio inteiro cantando as nossas músicas”. “Quando a gente sonha, realmente acontece. O primeiro passo é acreditar”, completa.

No entanto, Guilherme não viveu apenas momentos felizes durante a banda. Ele relembra que precisou esconder a sua sexualidade. “Eu já tinha a minha sexualidade certa desde muito novo e já tinha passado por problemas na minha família, que o meu pai me expulsou de casa… Mas isso já está resolvido. Um dia eu conversei com os meninos [integrantes], falei para eles e estava tudo ótimo – ou pelo menos fingiram que estava tudo ótimo”, conta. 

“Só que chegou um dia, com todos eles já sabendo, a empresária chegou no hotel junto com outro empresário e amigo, e começou a falar que já sabia. Como eu não tinha contado para eles, só para os meninos, eu concordei e disse que era verdade. Contudo, ela disse que não achava legal ‘falar sobre isso’ e que era ‘melhor guardar’, pois ‘podia prejudicar os meninos’”. 

Ainda relembrando este assunto, Guilherme revela que a empresária chegou a falar que não era muito legal para a época. “Eu não tinha falado que eu era homessexual, tinha passado que eu era bi, mas agora eu entendo mais e falo mais abertamente sobre ser pansexual”, conta. 

Ele aceitou, pois ficou preocupado com eles. Porém, sempre quis falar porque ele via que a maioria dos fãs meninos eram gays. 

Para finalizar, ele conta que precisou passar por isso e conversar com profissionais da saúde para entender que todo mundo precisa desse apoio.

Carreira solo

2021 vai trazer um novo Guilherme para os fãs, que ficaram muitos meses sem ter uma música nova do cantor.

“Eu nunca deixei morrer essa vontade e esse sonho. Música é tudo para mim, tanto que quando eu vi que não podia mais lançar algo por conta do contrato, eu fui procurar algo que poderia fazer e me encontrei sendo DJ, pois era uma maneira de não me distanciar da música”, conta o cantor ao ser questionado sobre a decisão de voltar para a música.

Guilherme segue dizendo que pôde conhecer um novo lado desse meio artístico. “Ele [trabalho como DJ] me permitiu conhecer outras facetas minhas em relação ao artista que quero ser e eu pensei ‘é a hora de ser o artista que quero ser porque eu fui estudando’”.

“Eu não preciso saber tudo para poder gravar. Antes eu não acreditava muito em mim porque não estudei muita música e não sou um músico f**da, mas a gente tem que dar o pontapé inicial”.

“Tem uma galera que me acompanha há muito tempo e voltou a estar comigo, sabe? Quando eu fiz uma entrevista, o assunto saiu em diversos lugares e essas pessoas se interessaram.

Porém, o que realmente podemos esperar do Guilherme ST em 2021?

“Muita música boa, muita música agitada e para dançar. Novos visuais, novo conteúdo visual, não tão diferente, mas um pouco diferente. É muito complicado descrever tudo de uma só vez, mas eu espero levar um pouco do que eu gosto enquanto música e espero que as pessoas gostem também. Vai vir muito POP e quem sabe um funkzinho também”, responde o artista. 

Se Guilherme ST fosse se definir em apenas três palavras, elas seriam: coração, música e amigos.

Notícias relacionadas